O Nascimento e a Educação dos Filhos (Aos Casais Novos)

 

Gostaria de nesta oportunidade falar um pouco sobre uma fase muito importante de sua vida: A Chegada dos Filhos.

Com esse evento especial, você passa a viver uma das fases mais importantes de sua vida de casada – a de ser mãe.
Esse período, via de regra, é um dos mais tumultuados de sua vida, pois, está vivendo ao mesmo tempo os primeiros anos do relacionamento de casada ao lado de seu marido que, em geral, está vivendo também o início do ministério pastoral – e você é agora Esposa de Pastor. São muitas as demandas para seu marido: a preocupação de mostrar um bom trabalho, tendo que v
isitar todos os irmãos e passar a conhecê-los de perto para compreendê-los e ajudá-los; preparar sermões; dirigir comissões; acompanhar todas as programações da igreja – marcar presença; e mais um sem número de atividades para conquistar sua congregação e ter uma liderança efetiva. E você, logicamente, acompanhando-o e ajudando. No entanto, como já conversamos em outra de nossas considerações, em certas fases de sua vida de esposa de pastor, não poderá mais “estar em todas”.
Agora você é mãe, e junto com esse privilégio vem uma enorme responsabilidade, que é a de cuidar e educar essa criança.
Sua freqüência à igreja agora, de preferência, passa a se restringir ao dia de sábado: Escola Sabatina e Culto e, muitas vezes, não conseguirá assistir nem mesmo ao Culto, por não ser aconselhável por ser um período muito longo para seu bebê e mesmo para você (pelo menos enquanto seu bebê é ainda muito novinho).
Esse é um período de muito trabalho e de sacrifício de muitos privilégios por parte da mãe.

O tempo é curto para dar conta de tantas demandas, quando você mesma está também carecendo de cuidados e atenção especiais.
Nessa fase é muito importante estabelecer certos princípios e regras que lhe ajudará a manter as coisas em ordem e a dar conta em tempo de todas as necessidades do bebê, suas e de seu esposo.

1ª Regra: Tenha um lugar certo para cada coisa e mantenha cada coisa em seu lugar: tirou, devolva na hora ao seu devido lugar, (o esforço despendido para colocar algo fora do lugar é o mesmo para colocá-lo no lugar certo), não deixe para depois, do contrário, você logo, logo se encontrará no meio de um verdadeiro caos. As coisas do bebê, as de uso diário e contínuo, devem estar organizadas e à mão, facilitando e agilizando as atividades como: banho, troca, amamentação, sono.
2ª Regra: Mantenha regularidade e horários para as atividades essenciais de seu bebê, como: banho, hora de dormir, banho de sol, mamadas, trocas, etc. Nenhuma dessas coisas será negligenciada sem prejuízo da saúde do bebê, de seu bem-estar e sua educação.
3ª Regra: Mantenha os documentos, receitas médicas, agendamento de ida ao pediatra, certidão de nascimento, carteirinha de vacinação, etc. em uma pasta, tudo arquivado corretamente. Essa pasta pode ser uma suspensa no arquivo de aço da família, ou outra pasta/arquivo, desde que tenha tudo à mão quando necessitar. Importante: não se esqueça de colocar data em tudo; a data é mais importante do que podemos imaginar; você só sentirá essa importância depois de passar muito tempo da ocorrência do fato. Não se esqueça também de colocar data nas fotos e uma legenda, assim que revelá-las.
4ª Regra: Iniciar a fazer o Culto Diário com seu filho. Cedo demais? Não, creio que não. Se essa prática for iniciada quando o bebê ainda está novinho, ali no berço como quem não entende nada, ela ficará indelevelmente gravada na mente dessa criança e norteará toda sua vida. No entanto essa prática como outras, requer disciplina e método de sua parte. Pare tudo o que está fazendo, esqueça tudo o que tem para ser feito, sente-se com o bebê e cante, e leia historinhas da Bíblia e de Jesus; para tanto já pode e deve usar figuras e ilustrações.

Alguns Princípios e Valores:

1. Mentira. Nunca minta ao seu filho, fale sempre a verdade com ele, mesmo que isso signifique, naquele momento, choro da criança e desconforto para você. Falando somente a verdade você não só estará inculcando nele um importantíssimo princípio de vida, mas, estará também colocando o alicerce da formação da confiança no relacionamento entre vocês, fator tão importante para a segurança de uma criança.

2. Honestidade. Seja honesto com seu filho. Se prometer, cumpra. Seja coerente. Se você diz que algo deve ser feito daquela forma, você também deve fazê-lo; nesse caso não valerá o “faça o que eu mando e não faça o que eu faço”. Sem contar que o princípio da honestidade também será contado quando você, por exemplo, ao ir vender um carro diz que está em perfeita ordem quando, na realidade, todos na família sabem que o carro apresenta problemas a cada dia, todos ouvem você dizer: “Esse carro está dando muito problema, teremos que vendê-lo”.

3. Honra. A honra só é desenvolvida quando seu filho vê em você honestidade, veracidade e coerência. Seu filho também deve ver que você honra aos seus pais. A honra é um princípio que refletirá na conduta de seus filhos depois de adultos, quando não mais dependem de você e já têm vida própria. Esse é um fator que dará muito conforto e bem estar para você, quando seu ninho já estiver vazio, pois, sempre eles estarão se reportando a você na hora das decisões importantes da vida.

4. Valores. Sempre que você passar por alto ou tratar como natural comportamentos errados de outras pessoas, seja através da aquiescência, seja quando tem por hábito ver novelas onde são tolerados todos os tipos de desvios de comportamento, como: homossexualismo, adultério, infidelidade, etc., você estará transmitindo mensagens de que esses comportamentos são naturais e que não têm maior importância. Nossa escala de valores é construída através de pequenas coisas que, quer queiramos ou não, demonstram aos outros quais realmente são nossos valores, e esses vão sendo transmitidos aos nossos filhos, mesmo que sem palavras.

Encerrando nossas considerações de hoje, gostaria de deixar com você esse belo poema:

MEU FILHO

Tomo entre as minhas mãos tua cabeça,
Filho querido,
E esqueço tudo o mais.
Quem há que não esqueça
A vida, as coisas vãs, convencionais,
Tendo entre as mãos a cabeça querida
De um filho que nasceu da nossa vida?
Cerro os olhos e penso na grandeza
Que esse pequeno cérebro resume.
Espírito em botão que hoje presume
Ser o centro de toda a vida humana,
De toda a natureza
Que para lhe sorrir de flores se engalana.
Uma cabeça de criança
Que encontra a providência
Como um deus tutelar no carinho dos pais,
E cuja enorme ciência
É contar até dez e dizer as vogais.
Dentro em pouco, porém, essa cabeça frágil,
Que começa a reter as imagens e as cores,
Será como um vulcão de pensamentos vários,
Vibrará no esplendor de auroras interiores,
Conhecerá sonhos e dores,
Abrangerá sutil, indefinível, ágil,
Todas as sensações em surtos tumultuários.
Só quem é mãe pode saber esta emoção,
Íntima e original,
De sentir entre as mãos, no ser que acaricia,
O fruto do seu ser, hoje aurora e poesia,
Que há de ser algum dia
Vida em plena expansão,
Uma força a vibrar na vida universal.
E eu sonho, e acaricio o teu cabelo fino,
Em êxtase profundo,
Sentindo ter nas mãos, num globo pequenino,
A síntese do mundo.

Anna Amélia de Queiroz Carneiro de Mendonça

Carinhosamente,

Vanira Dittmar Sarli

 
 
envie-nos um e-mail envie-nos um e-mail envie-nos um e-mail envie-nos um e-mail